Com origens italianas assim como o Pentacampeão da Copa do Brasil, Silvana é nascida na cidade de Turim e veio para o Brasil no início da década de 1970 acompanhada de seu marido, que foi executivo de uma multinacional automobilística. Em entrevista ao Site Oficial do Cruzeiro, ela contou sobre a identificação que tem com a Raposa, a trajetória pessoal e profissional e sobre o novo desafio político.

A paixão pelo Palestra Italia e pelo Cruzeiro

Desde que veio morar em Belo Horizonte, Silvana Rizzioli e sua família logo perceberam a grandeza do Clube e a paixão que move os milhões de cruzeirenses. Ela citou que a paixão pela Raposa também aconteceu como forma de adaptação à cultura brasileira.

“Vim para Minas Gerais em 1970 e desde aquela época minha família se tornou cruzeirense. Tive uma maior identificação com o Cruzeiro pelo fato do clube possuir raízes italianas. Essa proximidade também aconteceu com muitos italianos que chegaram ao Brasil naquela época. Para que pudéssemos absorver a cultura brasileira, o esporte foi fundamental”, destacou.

Presença no clássico

Torcedora assídua do Tetracampeão Brasileiro, Silvana não desgrudou os olhos do gramado do Gigante da Pampulha e vibrou com o golaço do meia De Arrascaeta. Entusiasmada com o triunfo cinco estrelas, ela falou sobre a experiência vivida e sobre a paixão pelo esquadrão celeste.

“Frequentamos sempre os jogos do Cruzeiro no Mineirão. O sangue cruzeirense está em nossas veias. Sempre estamos de olho nas partidas e na evolução do Clube. Participar desse clássico me deixa bastante feliz e com muito orgulho, pois sei que é um jogo importante para a nossa equipe”, disse.

A chegada no Brasil e a candidatura ao senado italiano

Atuando juntamente com o esposo na multinacional, Silvana acumulou passagens por diversos setores da empresa. Ela comentou sobre como se adaptou a Belo Horizonte e também sobre a candidatura ao senado italiano, cujas eleições acontecem nos próximos dias.

“Quando cheguei aqui, Belo Horizonte ainda era relativamente pequena. Turim, minha cidade natal, é muito parecida com a capital mineira e acho que por isso que me identifiquei bastante. Construí mais de 40 anos de trabalho e experiência por aqui e entendo que a política é um serviço para o cidadão e por isso decidi me candidatar ao senado. Pretendo atuar prestando serviço aos cidadãos e descendentes italianos no Brasil e em toda a América do Sul”, ressaltou.

“Tenho o trabalho com foco realmente em valorizar a cultura italiana, a história de imigração, que foi bela, mas foi muito árdua também e, nesse contexto, garantir um futuro com mais oportunidades aos italianos que residem por aqui. Logo após o carnaval as cédulas chegarão para os cidadãos italianos, que deverão devolvê-las seguindo as orientações das cédulas”, finalizou.